VOCE TEM O PODER DE MUDAR A CARA DO MUNDO!!!

...o Servo de Deus o Papa João Paulo II, de venerada memória, dizia, na sua passagem pelo Mato Grosso, que osjovens são os primeiros protagonistas do terceiro milênio [...] são vocês que vão traçar os rumos desta nova etapa da humanidade” (Discurso 16/10/1991). ... (homilia do Papa Bento XVI aos jovens no estádio do Pacaembu, 2007)

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Cardeal Meisner: antes de mudar Igreja, é preciso mudar próprio coração

Exorta a reconhecer o valor do sacramento da Confissão

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 9 de junho de 2010 .Para tornar a Igreja "mais atraente", o primeiro passo não deve ser tentar mudá-la, e sim buscar mudar o próprio coração.

Foi o que afirmou o cardeal Joachim Meisner, arcebispo de Colônia (Alemanha), na manhã desta quarta-feira, na Basílica de São Paulo de fora dos Muros, durante a meditação por ele oferecida antes da Celebração Eucarística presidida pelo cardeal Cláudio Hummes, por ocasião do encerramento do Ano Sacerdotal.

Uma vez que a Igreja é a Ecclesia semper reformanda, explicou o cardeal Meisner, nela tanto o sacerdote como o bispo são também um semper reformandus e, como Paulo em Damasco, "devem sempre ser atirados ao chão de seu cavalo, para cair nos braços de Deus misericordioso, que os envia depois ao mundo".

Para isso, "não é suficiente que em nosso trabalho pastoral desejemos levar a cabo correções nas estruturas de nossa Igreja (...); é preciso uma mudança de coração, em meu coração".

"Somente um Paulo convertido foi capaz de mudar o mundo", enfatizou.

O cardeal Meisner reconheceu que "uma das perdas mais trágicas" sofridas pela Igreja na segunda metade do século XX foi "a perda do Espírito Santo no sacramento da Reconciliação".

A participação escassa neste sacramento é, segundo ele, "a raiz de muitos males na vida da Igreja e do sacerdote".

"Quando os fiéis me perguntam: ‘como podemos ajudar nossos sacerdotes?', sempre respondo: ‘confessando-se com eles!'", acrescentou.

Para o purpurado, "quando o sacerdote deixa de ser um confessor, torna-se um assistente social religioso, entrando em uma grave crise de identidade".

"Confessar-se significa recomeçar a crer - e, ao mesmo tempo, descobrir - que até então não havíamos nos dedicado com suficiente profundidade e que, por isso, devemos pedir perdão."

De fato, é nesse sacramento que se encontra "o Pai misericordioso com os dons mais preciosos que tem para oferecer - o perdão e a graça".

Com a confissão, concluiu, "volta-se para o interior do próprio movimento do amor de Deus e do amor fraterno, na união com Deus e com a Igreja, pelo qual se exclui o pecado".


Fonte:http://www.zenit.org/article-25173?l=portuguese

Vida do Santo Cura d'Ars

10/06/2010

O Santo Cura d'Ars foi um dos modelos a imitar neste ano sacerdotal proposto pelo Papa Bento XVI.
“O homem que se fez misericórdia” é o título da nova biografia de São João Maria Vianney, que permite aprofundar também o período de perseguição que a Igreja na França sofreu.

“Em primeiro lugar, recordar que o Santo Cura d'Ars viveu em perseguição dos 3 aos 14 anos, quando ocorreu a revolução francesa, a grande revolução francesa que se põe como o encontro com as liberdades, liberdade, fraternidade e igualdade, uma revolução francesa que quase acabou com a Igreja Católica, algo que muitas vezes se desconhece, a Igreja Católica beatificou mais de 400 pessoas que morreram nessa perseguição. O santo Cura d'Ars que teve que se esconder para viver sua fé”.

O autor deste livro, padre Teulón, destaca a atitude do Santo Cura d'Ars com os fiéis que o procuravam para confessarem-se.

“O grande confessor, o homem que se fez misericórdia, a segunda parte da biografia quer destacar a atitude que o Cura d'Ars teve como inúmeros santos para ajudar de uma maneira muito discreta e sem alarmes”.

Uma obra que conduz também à oração.

“Para muita gente que não conhece a vida do Santo Cura d'Ars é uma janela para começar a ter gosto por este grande santo, não somente neste ano sacerdotal, mas através deste desejo de que rezem por nós que necessitamos muito”.

video


Fonte:http://www.h2onews.org/portugues/175-ano-sacerdotal/224445176-vida-do-santo-cura-dars.html

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Palavras do Santo Cura d’Ars - O sacerdote

Excertos das palavras do Santo Cura d’Ars
Com suas palavras, João Maria Vianney soube tocar os corações e guiá-los para Deus

O sacerdote

A ordem: é um sacramento que não parece dizer nada a nenhum de vocês, mas diz respeito a todos.

É o sacerdote quem continua a obra da Ressurreição na terra.

Quando vocês vêem o sacerdote, pensem em Nosso Senhor Jesus Cristo.

O sacerdote não é sacerdote para si mesmo, mas por vocês.

Tentem se confessar com a Santa Virgem ou com um anjo. Eles os absolverão? Darão o corpo e o sangue de Nosso Senhor a vocês? Não, a Santa Virgem não pode trazer seu divino Filho na hóstia. Ainda que vocês tivessem duzentos anjos a sua disposição, eles não poderiam absolvê-los. Um sacerdote, por mais simples que seja, pode fazer isso. Ele pode lhes dizer: vão em paz, eu os perdôo.

Oh, o sacerdote é algo realmente grande!

Um bom pastor, um pastor de acordo com o coração de Deus, é o maior tesouro que o bom Deus pode conceder a uma paróquia, e um dos dons mais preciosos da misericórdia divina.

O Sacerdócio é o amor do coração de Jesus.

Deixem uma paróquia vinte anos sem sacerdote: ali os animais serão adorados.


fonte:http://www.annussacerdotalis.org/clerus/dati/2009-06/12-13/Parole_del_Curato_pt.html



Palavras do Santo Cura d’Ars - A oração

Excertos das palavras do Santo Cura d’Ars
Com suas palavras, João Maria Vianney soube tocar os corações e guiá-los para Deus


Misericórdia e sacramento do perdão

Se compreendêssemos bem o que significa ser filho de Deus, não poderíamos fazer o mal [...]; ser filho de Deus, oh, que bela dignidade!

A misericórdia de Deus é como um rio que transbordou. Ao passar, arrebata os corações.

Não é o pecador que retorna a Deus para lhe pedir perdão, é Deus que corre atrás do pecador e o faz voltar para Ele.

Demos, portanto, esta alegria a esse Pai tão bom: voltemos a Ele... e seremos felizes.

O bom Deus está sempre disposto a nos receber. Sua paciência nos espera!

Há quem volte ao Pai Eterno um coração duro. Oh, como essas pessoas se enganam! O Pai Eterno, para desarmar sua justiça, deu a seu Filho um coração excessivamente bom: não damos o que não temos...

Há quem diga: “Agi mal demais; Deus não pode me perdoar”. Trata-se de uma grande blasfêmia. Equivale a impor um limite à misericórdia de Deus, que não tem limites: é infinita.

Nossos erros são grãozinhos de areia em comparação com a grande montanha da misericórdia de Deus.

Quando o sacerdote dá a absolvição, precisamos pensar apenas numa coisa: que o sangue do bom Deus se derrama sobre nossa alma para lavá-la, purificá-la e torná-la bela como era depois do batismo.

O bom Deus, no momento da absolvição, joga nossos pecados para trás das costas, ou seja, esquece-os, apaga-os: não reaparecerão nunca mais.

Já não há o que falar dos pecados perdoados. Foram apagados, não existem mais!



Fonte:http://www.annussacerdotalis.org/clerus/dati/2009-06/12-13/Parole_del_Curato_pt.html

Palavras do Santo Cura d’Ars - A Eucaristia e a comunhão

Excertos das palavras do Santo Cura d’Ars
Com suas palavras, João Maria Vianney soube tocar os corações e guiá-los para Deus

A Eucaristia e a comunhão


Todas as boas obras, juntas, não se equivalem ao sacrifício da Missa, pois são obras dos homens, enquanto a Santa Missa é obra de Deus.

Nada há tão grande quanto a Eucaristia.

Oh, filhos meus, o que faz Nosso Senhor no Sacramento de seu amor? Toma seu coração bom para nos amar, e extrai desse coração uma transpiração de ternura e misericórdia, para sufocar os pecados do mundo.

Aí está aquele que tanto nos ama! Por que não amá-lo?

O alimento da alma é o corpo e o sangue de um Deus. Se pensarmos nisso, havemos de nos perder eternamente nesse abismo de amor!

Venham à comunhão, venham a Jesus, venham viver d’Ele, para viver para Ele.

O bom Deus, querendo oferecer-se a nós no sacramento de seu amor, deu-nos um desejo grande e profundo, que só Ele pode satisfazer.

A comunhão produz na alma uma espécie de lufada de ar num fogo que começa a se apagar, mas em que ainda ardem muitas brasas!

Depois que comungamos, se alguém nos dissesse: “O que você leva para casa?”, poderíamos responder: “Eu levo o céu”.

Não digam que não são dignos disso. É verdade: vocês não são dignos, mas precisam disso.



Fonte:http://www.annussacerdotalis.org/clerus/dati/2009-06/12-13/Parole_del_Curato_pt.html

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Futebol no Vaticano

video


Fonte: http://www.h2onews.org/portugues/1-Eventos/224444977-cronicas-vaticanas-futebol-no-vaticano.html

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Região da Itália dará R$ 10 mil a mulher que desistir de aborto

Para receber o dinheiro, mulher terá de comprovar que enfrenta problemas financeiros.


O aborto é permitido por
lei na Itália desde 1978

O presidente da região da Lombardia (norte da Itália), Roberto Formigoni, anunciou que o governo local pretende oferecer US$ 5,5 mil (o equivalente a cerca de R$ 10 mil) a mulheres grávidas para que desistam de abortos.

Para receber o dinheiro, que seria pago ao longo de 18 meses, as mulheres terão de provar que enfrentam problemas financeiros.


Formigoni, que é católico e aliado do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, disse que nenhuma mulher na Lombardia deveria interromper uma gravidez por causa de dificuldades econômicas.

O aborto é permitido por lei na Itália desde 1978.

Os dados mais recentes sobre abortos na Itália revelam que em 2008 foram realizados cerca de 120 mil no país.

De acordo com o correspondente da BBC em Roma Duncan Kennedy, o número de abortos parece estar caindo, chegando a quase à metade do registrado em 1982.

Um porta-voz da Conferência de Bispos Italiana reagiu à nova política dizendo que "qualquer coisa que respeitar a vida deve ser aplaudida".


Ainda segundo o correspondente da BBC, críticos da medida ressaltaram que, se todas as mulheres da Lombardia com problemas financeiros decidirem manter seus bebês, a verba do governo se esgotará em três meses.


Fonte:http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/06/regiao-da-italia-dara-r-10-mil-a-mulher-que-desistir-de-aborto.html

Bento XVI: mundo espera por Cristo, mesmo sem saber

Lança à Igreja inteira um convite solene para a missão "ad gentes"

PORTO, sexta-feira, 14 de maio de 2010 (ZENIT.org). Sem impor, mas sem deixar de propor, os cristãos devem responder "com urgência" à necessidade de evangelização, afirmou o Papa Bento XVI, na homilia da Missa celebrada hoje no Porto (Portugal), antes de concluir sua visita apostólica ao país.
Neste quarto e último dia, o Papa havia ido para a cidade do Porto, para celebrar a Eucaristia, cuja homilia dedicou quase exclusivamente ao que João Paulo II chamou de "nova evangelização" nas sociedades secularizadas.
A celebração aconteceu na Avenida dos Aliados, em frente ao palácio municipal, e dela participaram quase 120 mil fiéis, vindos de todo o país, e também da Espanha e outros países europeus.
O Papa chegou diretamente do heliporto militar de Serra do Pilar, no papamóvel, acompanhado pelo bispo do Porto, Dom Manuel Clemente.
"O cristão é, na Igreja e com a Igreja, um missionário de Cristo enviado ao mundo. Esta é a missão inadiável de cada comunidade eclesial: receber de Deus e oferecer ao mundo Cristo ressuscitado, para que todas as situações de definhamento e morte se transformem, pelo Espírito, em ocasiões de crescimento e vida."
Com efeito, afirmou o Papa, "se não fordes vós as suas testemunhas no próprio ambiente, quem o será em vosso lugar?".
Se a Igreja parasse de anunciar o Evangelho, "seria morrer a prazo, enquanto presença de Igreja no mundo", adicionou.
Diante da tentação do desânimo, Bento XVI adicionou que "a ‘desproporção' de forças em campo, que hoje nos espanta, já há dois mil anos admirava os que viam e ouviam a Cristo".
"Era Ele apenas, das margens do Lago da Galileia às praças de Jerusalém, só ou quase só nos momentos decisivos: Ele em união com o Pai, Ele na força do Espírito. E todavia aconteceu que por fim, pelo mesmo amor que criou o mundo, a novidade do Reino surgiu como pequena semente que germina na terra..."
Ad gentes
O Papa afirmou que a humanidade tem experimentado grandes mudanças, ao que é necessário resposta: "Hoje a Igreja é chamada a enfrentar desafios novos e está pronta a dialogar com culturas e religiões diversas, procurando construir juntamente com cada pessoa de boa vontade a pacífica convivência dos povos".
Este campo da missão ad gentes (faziam os gentios, os que não creem) "apresenta-se hoje notavelmente alargado e não definível apenas segundo considerações geográficas", esclareceu.
"Realmente aguardam por nós não apenas os povos não-cristãos e as terras distantes, mas também os âmbitos sócio-culturais e sobretudo os corações que são os verdadeiros destinatários da atividade missionária do povo de Deus."
"Nada impomos, sempre propomos - explicou aos presentes - prontos sempre a responder a quem quer que seja sobre a razão da esperança que há em vós (1 Ped 3, 15). E todos afinal no-la pedem, mesmo quem pareça que não."
Embora sem o saber, afirmou o Papa, "é por Jesus que todos esperam. De fato, as expectativas mais profundas do mundo e as grandes certezas do Evangelho cruzam-se na irrecusável missão que nos compete", pois "sem Deus, o ser humano não sabe para onde ir e não consegue sequer compreender quem é".
Portanto, nós, cristãos, "somos chamados a servir a humanidade do nosso tempo, confiando unicamente em Jesus, deixando-nos iluminar pela sua Palavra".
"Quanto tempo perdido, quanto trabalho adiado, por inadvertência deste ponto! Tudo se define a partir de Cristo, quanto à origem e à eficácia da missão: a missão recebemo-la sempre de Cristo."
Encontro vocacional
Ao terminar a Missa, Bento XVI abençoou a primeira pedra do seminário Redemptoris Mater Santa Teresinha do Menino Jesus, do Porto. Neste tipo de seminário, diocesano, missionário e internacional, são formados jovens do Caminho Neocatecumenal.
Na verdade, milhares de jovens desta realidade eclesiástica foram em peregrinação estes dias a Fátima para participar do encontro com o Papa. Como foi informado à Zenit pela assessoria de imprensa do Caminho Neocatecumenal na Espanha, eles são cerca de 20 mil jovens na Europa.
Antes de voltar aos seus países de origem, os jovens tiveram um encontro vocacional com os iniciadores do Caminho, Kiko Argüello, Carmen Hernández e Mario Pezzi, no Santuário de Fátima. O encontro foi presidido pelo cardeal José Policarpo, patriarca de Lisboa.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Marchas pelas vocações na diocese de Nancy, no nordeste da França

01/06/2010 (1:45)

Por ocasião do Ano Sacerdotal, inúmeras paróquias organizaram nas últimas semanas marchas pelas vocações. Foi o que aconteceu na diocese de Nancy, no nordeste da França, onde os participantes percorreram os cerca de 10 Km entre a Basílica de Saint Nicolas de Port e a Catedral de Nancy.

Padre Jean-Michaël Munier: “É o nosso modo de mostrar que estamos todos solidários com as vocações e que rezamos todos juntos para que o Senhor mostre a sua estrada ao maior número de pessoas, de modo que possamos viver a nossa vida de cristãos com o maior número de padres e de consagrados”.

Durante a marcha, foram organizadas atividades para permitir aos participantes repousarem e ouvirem os testemunhos de alguns padres.

Padre Jean-Michaël Munier: “Configurados a Cristo como padres, devemos contemplá-lo para nos parecer sempre mais com Ele, para que nos torne sempre mais parecidos com Ele. Creio também que nesta amizade com Cristo, neste diálogo, neste face a face com Cristo, exista algo de autenticamente pastoral: porque todo este povo que nos foi confiado deve ser apresentado a Cristo. E é primeiramente Ele que atua através todos aqueles que nos são confiados neste ministério”.

As pessoas que não participaram da marcha se reuniram para rezar na catedral de Nancy. A jornada se concluiu com a celebração da Eucaristia.

SOTTOPANCIA: Padre Jean-Michaël Munier, Diocese de Nancy


video

fonte: http://www.h2onews.org/portugues/1-Ano%20Sacerdotal/224444914-caminhar-pelas-vocacoes.html