VOCE TEM O PODER DE MUDAR A CARA DO MUNDO!!!

...o Servo de Deus o Papa João Paulo II, de venerada memória, dizia, na sua passagem pelo Mato Grosso, que osjovens são os primeiros protagonistas do terceiro milênio [...] são vocês que vão traçar os rumos desta nova etapa da humanidade” (Discurso 16/10/1991). ... (homilia do Papa Bento XVI aos jovens no estádio do Pacaembu, 2007)

domingo, 19 de setembro de 2010

Bento XVI aos jovens: todo dia há que optar pelo amor

Convida-os à oração e ao silêncio para descobrir o “verdadeiro eu”

LONDRES, sábado, 18 de setembro de 2010 (ZENIT.org) – Para se descobrir o verdadeiro eu e encontrar Deus são necessários o silêncio e a oração, afirmou neste sábado o Papa Bento XVI aos jovens que o esperavam nos arredores da catedral de Westminster.

Milhares de jovens ingleses seguiram, através de telões, a Missa celebrada pelo Papa na catedral de Westminster. Ao término da celebração, Bento XVI saiu ao átrio para dali saudá-los e dirigir-lhes em breve discurso.

Recordando o lema desta viagem – “O coração fala ao coração” –, o Papa pediu que jovens “olhem no interior de seu próprio coração”, que pensem “em todo amor que seu coração é capaz de receber, e em todo amor que é capaz de oferecer”.

“Fomos criados para receber o amor, e assim tem sido”, afirmou o Papa. Ele convidou os jovens a “agradecer a Deus pelo amor que já conhecemos, o amor que nos fez quem somos, o amor que nos mostra o que é verdadeiramente importante na vida”.

“Precisamos dar graças ao Senhor pelo amor que recebemos de nossas famílias, nossos amigos, nossos professores e todas as pessoas que em nossas vidas nos ajudaram a nos dar conta do quão valiosos somos a seus olhos e aos olhos de Deus”.

O homem também foi criado para amar – prosseguiu o Papa. “Às vezes, isso parece o mais natural, especialmente quando sentimos a alegria do amor, quando nossos corações transbordam de generosidade, idealismo, desejo de ajudar os demais e construir um mundo melhor”.

“Mas outras vezes constatamos que é difícil amar; nosso coração pode-se endurecer facilmente pelo egoísmo, a inveja e o orgulho”.

O amor – prosseguiu – “é o fruto de uma decisão diária. Cada dia temos de optar por amar, e isso requer ajuda”. Por isso, convidou os jovens a dedicarem tempo a Jesus na oração.

“A verdadeira oração requer disciplina; requer buscar momentos de silêncio todo dia. Muitas vezes significa esperar que o Senhor fale”.

“Inclusive em meio ao cansaço e às pressões de nossa vida cotidiana, precisamos de espaços de silêncio, porque no silêncio encontramos Deus, e no silêncio descobrimos nosso verdadeiro ser”, acrescentou o Papa.

Quando isso sucede – concluiu –, “ao descobrir nosso verdadeiro eu, descobrimos a vocação particular à qual Deus nos chama para a edificação de sua Igreja e a redenção de nosso mundo”.


FONTE:http://www.zenit.org/article-26061?l=portuguese

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Jovens, a Igreja agora pertence a vós”, afirma Papa

Adverte contra o que não é importante na vida

GLASGOW, quinta-feira, 16 de setembro de 2010 (ZENIT.org) - Bento XVI alertou os jovens contra o que é inútil na vida, recomendando-lhes que sejam conscientes da sua dignidade como filhos de Deus e vivam em coerência com isso.

O Papa fez este convite sincero aos jovens de hoje enquanto celebrava uma Missa ao ar livre, em uma tarde escocesa ensolarada, no Bellahouston Park, a aproximadamente 5 km do centro de Glasgow.

Multidões balançando bandeiras do Vaticano deram as boas-vindas ao Papa em Edimburgo, e ele fez o papamóvel parar para beijar uma pequena menina. Houve um momento de recolhimento silencioso da multidão, antes de começar a Missa.

O Pontífice chegou hoje à Escócia, começando assim uma viagem de 4 dias ao Reino Unido, que incluirá um discurso a representantes da sociedade britânica e a beatificação do cardeal John Henry Newman.

A homilia do Santo Padre se referiu a temas que vão do ecumenismo e da evangelização da cultura à necessidade de orar pelas vocações ao sacerdócio e à vida consagrada. Este foi o último tema que fez parte da sua saudação particular aos jovens, com a qual encerrou a homilia.

"Convido-vos a levar uma vida digna do nosso Senhor e de vós mesmos", disse aos "queridos jovens católicos da Escócia".

Brilhantes, mas vazios

Bento XVI reconheceu as "muitas tentações que deveis enfrentar cada dia - drogas, dinheiro, sexo, pornografia, álcool - e que o mundo vos diz que vos darão felicidade, quando, na verdade, estas coisas são destrutivas e criam divisão".

"Só uma coisa permanece: o amor pessoal de Jesus por cada um de vós. Buscai-o, conhecei-o e amai-o, e Ele vos libertará da escravidão da existência deslumbrante, mas superficial, que a sociedade atual propõe frequentemente."

"Deixai de lado tudo o que é indigno e descobri vossa própria dignidade como filhos de Deus."

O Pontífice acrescentou que o Evangelho da Missa de hoje, marcada pela festa de São Ninian, apóstolo da Escócia, inclui a exortação de Jesus a orar pelas vocações.

"Elevo minha súplica para que muitos de vós conheçais e ameis Jesus e, por meio deste encontro, vos dediqueis por completo a Deus, especialmente aqueles dentre vós que fostes chamados ao sacerdócio ou à vida religiosa", disse o Santo Padre aos jovens.

"Este é o desafio que o Senhor vos dirige hoje: a Igreja agora pertence a vós!"

Exemplos luminosos

Anteriormente, o Papa se dirigiu de forma particular aos bispos e sacerdotes, animando-os também a rezar pelas vocações.

Pediu aos bispos que dessem prioridade aos sacerdotes e à sua santificação.

"Vivei em plenitude a caridade que brota de Cristo, colaborando com todos eles, em particular com os que têm escasso contato com seus irmãos no sacerdócio - instou. Rezai com eles pelas vocações, para que o Senhor da messe envie trabalhadores à sua vinha."

O Papa também convidou os bispos a se comprometerem pessoalmente na formação dos sacerdotes e também dos diáconos.

"Sede pais e exemplo de santidade para eles, animando-os a crescer em conhecimento e sabedoria no exercício da missão de pregar, à qual foram chamados", afirmou.

Falando aos sacerdotes, recordou-lhes seu chamado à santidade e a modelar suas vidas segundo a cruz de Cristo.

"Pregai o Evangelho com um coração puro e com reta consciência - convidou. Dedicai-vos somente a Deus e sereis exemplo luminoso de santidade, de vida simples e alegre para os jovens; eles, por sua vez, desejarão certamente unir-se a vós em vosso solícito serviço ao povo de Deus."


Fonte:http://www.zenit.org/article-26042?l=portuguese

sábado, 11 de setembro de 2010

A amizade com Jesus, chave para a realização pessoal

O Papa recorda a mensagem para a JMJ e motiva os jovens a participar na JMJ de Madrid


Madrid, 6 de Setembro de 2010.- O Santo Padre voltou a recordar a essência da mensagem que escreveu há um mês para preparar a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que se celebrará em Agosto de 2011 em Madrid.

No tradicional discurso após a recitação do Angelus em 5 de Setembro, o Papa fez uma síntese da mensagem para a JMJ de Madrid, da qual sublinhou que a "amizade verdadeira com Jesus pode dar a um jovem o que ele precisa para conseguir enfrentar a vida, a serenidade e a luz interior, a grandeza de coração para com os outros, a disponibilidade para se entregar pessoalmente pelo bem, pela justiça e pela verdade".

"Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé", tema da JMJ de Madrid, permitiu ao Papa esmiuçar as principais ideias desta frase escrita por São Paulo na sua Epístola aos Colossenses. "O coração desta mensagem está nas expressões "em Cristo" e "fé". A maturidade de uma pessoa tem as suas raízes na relação com Deus, uma relação que exige um encontro com Jesus Cristo", sublinhou.

Solidez e estabilidade são evocados na citação de Paulo: "É definitivamente uma proposta contra a corrente. Quem oferece actualmente aos jovens estarem "enraizados" e "equilibrados"? Em vez disso, ele destaca a incerteza, mobilidade, a volatilidade... o que reflecte uma cultura de indecisão sobre os valores e princípios fundamentais pelos quais orientar e regular a sua vida."

Bento XVI insiste sobre o aspecto pessoal - "o encontro com Jesus Cristo" - e comunitário de uma vida próxima de Deus: "O cristão descobre na Igreja a beleza da fé partilhada e anunciada aos outros na prática da fraternidade e da caridade".

Finalmente demonstrou o seu desejo de que "muitos jovens possam encontrar-se na capital de Espanha, para acolherem em seus corações a Cristo".



fonte:http://pt.madrid11.com/JMJ2011PT/REVISTA/articulos/GestionNoticias_401_ESP.asp

Congresso Latino-Americano de Jovens na Venezuela

LOS TEQUES, quinta-feira, 9 de setembro de 2010 (ZENIT.org) – 550 jovens da América Latina e do Caribe participam no III Congresso Latino-Americano de Jovens (3CLAJ), promovido pela Seção de Juventude do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM) e o Departamento Nacional de Pastoral Juvenil e Universitária da Conferência Episcopal da Venezuela. O evento propõe revitalizar as propostas de evangelização da juventude.

O congresso acontece de 5 a 11 de setembro, em Los Teques, Venezuela, sob o lema “Caminhemos com Jesus para dar vida a nossos povos”.

Na celebração na catedral de Los Teques, o bispo local, Dom Freddy Fuenmayor, convidou os jovens a renovarem e enraizarem o impulso missionário em sua ação pastoral.

O Papa Bento XVI enviou uma mensagem em vídeo, em espanhol, aos participantes do congresso, em que exortou ao encontro pessoal com o Senhor e a escutar sua Palavra.

“A todos os presentes nessa significativa iniciativa – acrescentou –, eu convido a colocar os olhos em Jesus Cristo, Filho de Deus vivo. Com sua graça, encontrarão a força que impulsiona a se comprometer com as causas que dignificam o homem e engrandecem os povos”.


Fonte:http://www.zenit.org/article-25976?l=portuguese

Estabelecer pontes de contato com novos grupos de cristãos, convida Papa

LOS TEQUES, quinta-feira, 9 de setembro de 2010 (ZENIT.org) – 550 jovens da América Latina e do Caribe participam no III Congresso Latino-Americano de Jovens (3CLAJ), promovido pela Seção de Juventude do Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM) e o Departamento Nacional de Pastoral Juvenil e Universitária da Conferência Episcopal da Venezuela. O evento propõe revitalizar as propostas de evangelização da juventude.

O congresso acontece de 5 a 11 de setembro, em Los Teques, Venezuela, sob o lema “Caminhemos com Jesus para dar vida a nossos povos”.

Na celebração na catedral de Los Teques, o bispo local, Dom Freddy Fuenmayor, convidou os jovens a renovarem e enraizarem o impulso missionário em sua ação pastoral.

O Papa Bento XVI enviou uma mensagem em vídeo, em espanhol, aos participantes do congresso, em que exortou ao encontro pessoal com o Senhor e a escutar sua Palavra.

“A todos os presentes nessa significativa iniciativa – acrescentou –, eu convido a colocar os olhos em Jesus Cristo, Filho de Deus vivo. Com sua graça, encontrarão a força que impulsiona a se comprometer com as causas que dignificam o homem e engrandecem os povos”.


Fonte:http://www.zenit.org/article-25984?l=portuguese

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Por que ser Sarcedote?

video

"Se sentes um sopro do céu, um vento que move as portas, escuta: é uma voz que te chama, é um convite a ir para longe. É um fogo que nasce em quem sabe esperar, em quem sabe nutrir, esperanças de amor."

Bento XVI convida os jovens a buscarem suas próprias raízes

O relativismo não dá liberdade, mas instabilidade, afirma

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 3 de setembro de 2010 (ZENIT.org) - A guerra e as dificuldades, as próprias dúvidas e o encontro com Jesus são algumas das vivências pessoais que o Papa Bento XVI revive na Mensagem para a Jornada Mundial da Juventude (Madri, 2011), divulgada hoje pela Santa Sé.

Nela, o Papa percorre os anos da sua vocação e propõe sua própria experiência aos jovens, pois as aspirações de um jovem "são as mesmas em todas as épocas" e podem ser resumidas no "desejo de uma vida maior", que não acabe em "mediocridade".

Os jovens, "como em toda época, também em nossos dias", sentem o "profundo desejo de que as relações interpessoais sejam vividas na verdade e na solidariedade".

"Muitos manifestam a aspiração de construir relações autênticas de amizade, de conhecer o verdadeiro amor, de fundar uma família unida, de adquirir uma estabilidade pessoal e uma segurança real, que possam garantir um futuro sereno e feliz."

No entanto - afirma o Papa, recordando sua própria juventude -, "vejo que, na verdade, a estabilidade e a segurança não são as questões que mais ocupam a mente dos jovens".

"Sim, a questão do lugar de trabalho - e, com isso, a de ter o porvir garantido - é um problema grande e urgente, mas ao mesmo tempo a juventude continua sendo a idade na qual se busca uma vida maior."

O Papa recorda sua juventude, que transcorreu entre a 2ª Guerra Mundial e o imediato período pós-guerra.

"Ao pensar nos meus anos de então, simplesmente, não queríamos perder-nos na mediocridade da vida aburguesada. Queríamos o que era grande, novo. Queríamos encontrar a vida em si, em sua imensidade e beleza."

Certamente, reconhece, "isso dependia também da nossa situação. Durante a ditadura nacional-socialista e a guerra, estivemos, por assim dizer, ‘presos' pelo poder dominante. Por isso, queríamos sair, para entrar na abundância das possibilidades de ser homem".

Contudo, afirma, "este impulso de ir além do habitual está em cada geração. Desejar algo mais que a cotidianidade regular de um emprego seguro e sentir o desejo do que é realmente grande faz parte do ser jovem".

"Será que se trata somente de um sonho vazio, que se desvanece quando a pessoa se torna adulta? - pergunta-se. Não. O homem, na verdade, foi criado para o que é grande, para o infinito. Qualquer outra coisa é insuficiente."

Citando um dos seus pensadores favoritos, afirma: "Santo Agostinho tinha razão: nosso coração está inquieto enquanto não descansa em Deus. O desejo da vida maior é um sinal de que Ele nos criou, de que carregamos o seu selo".

Dúvidas

A juventude, reconhece o Papa em sua mensagem, é também "uma fase fundamental que pode turbar o ânimo, às vezes durante muito tempo. Pensamos em qual será nosso emprego, como serão as relações sociais, que afetos é preciso desenvolver...".

Bento XVI volta novamente aos seus anos juvenis e compartilha com os jovens suas próprias vacilações e dúvidas.

"De certa forma, em pouco tempo tomei consciência de que o Senhor me queria como sacerdote. Mas depois da guerra, quando eu me dirigia a esta meta no seminário e na universidade, tive de reconquistar esta certeza", explica.

"Eu tive de me fazer esta pergunta: realmente é este o meu caminho? É verdadeiramente a vontade do Senhor para mim? Serei capaz de permanecer fiel e estar totalmente à disposição d'Ele, ao seu serviço?"

A decisão do sacerdócio não foi fácil: "Uma decisão assim também causa sofrimento. Não pode ser de outra forma. Mas depois tive a certeza: assim está bem! Sim, o Senhor me quer, e por isso me dará também a força. Escutando-O, estando com Ele, chego a ser eu mesmo. Não importa a realização dos meus próprios desejos, mas a sua vontade. Assim, a vida se torna autêntica".

Encontro com Jesus

Outro dos "tesouros" da sua juventude que o Papa quis compartilhar foi o dom do encontro pessoal com Jesus, uma "pérola preciosa" que, de alguma forma, ele quis transmitir com seus livros sobre Jesus de Nazaré - cujo segundo volume será publicado na próxima Semana Santa.

"Para muitos, é difícil o acesso a Jesus. Muitas das imagens que circulam de Jesus - e que se fazem passar por científicas - diminuem sua grandeza e a singularidade da sua pessoa", afirma o Papa.

Por isso, "ao longo dos meus anos de estudo e meditação, fui amadurecendo a ideia de transmitir em um livro algo do meu encontro pessoal com Jesus, para ajudar de alguma forma a ver, ouvir e tocar o Senhor, em quem Deus veio ao nosso encontro para dar-se a conhecer", acrescenta.

"O encontro com o Filho de Deus proporciona um dinamismo novo a toda a existência. Quando começamos a ter uma relação pessoal com Ele, Cristo nos revela nossa identidade e, com sua amizade, a vida cresce e se realiza em plenitude", afirma o Papa aos jovens.

"Queridos jovens, aprendei a ‘ver', a ‘encontrar' Jesus na Eucaristia, na qual Ele está presente e perto até entregar-se como alimento para o nosso caminho; no sacramento da Penitência, no qual o Senhor manifesta sua misericórdia, oferecendo-nos sempre seu perdão. Reconhecei e servi Jesus também nos pobres e doentes, nos irmãos que estão em dificuldade e precisam de ajuda", conclui.


Fonte:http://www.zenit.org/article-25926?l=portuguese

A proposta “contra a corrente” do Papa: jovens enraizados e edificados

Bento XVI explica sua Mensagem para a JMJ durante a oração do Angelus


CASTEL GANDOLFO, domingo, 5 de setembro de 2010 (ZENIT.org) – A Mensagem da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que se celebrará em Madri em agosto de 2011 é “decididamente uma proposta contra a corrente”, destacou o Papa neste domingo, durante a oração do Angelus em Castel Gandolfo, depois de sua visita apostólica a Carpineto Romano.

“Quem, de fato, propõe hoje aos jovens estar ‘enraizados e edificados?’”, perguntou, e ressaltou que “o que mais se exalta é a incerteza, a inconstância, a volatilidade... aspectos que refletem uma cultura indecisa no que se refere aos valores fundamentais, aos princípios em base aos quais orientar e regular a própria vida”.

Perante centenas de peregrinos em Castel Gandolfo, Bento XVI destacou que, para ajudar no percurso de descoberta do sentido da vida que toda pessoa está chamada a fazer, ele quis evocar as imagens da árvore e da casa.

“O jovem, de fato, é como uma árvore em crescimento: para se desenvolver bem, precisa de raízes profundas, que, no caso de tempestades de vento, tenham-no bem plantado no solo”, disse.

“Assim também a imagem do edifício em construção recorda a exigência de fundamentos válidos, para que a casa seja sólida e segura.”

O pontífice quis explicar brevemente a Mensagem que dirigiu aos jovens para a próxima JMJ, que tem como tema “Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé” (cf. Col 2,7).

Indicou que o coração da Mensagem encontra-se nas expressões “em Cristo” e “na fé”, e que “a plena maturidade da pessoa e sua estabilidade interior baseiam-se na relação com Deus, relação que passa através do encontro com Jesus Cristo”.

“Uma relação de profunda confiança, de autêntica amizade com Jesus pode dar a um jovem o que ele necessita para enfrentar bem a vida: serenidade e luz interior, capacidade para pensar de maneira positiva, grande ânimo para os demais, disponibilidade para pagar pessoalmente pelo bem, a justiça e a verdade”, disse.

Também destacou um aspecto “muito importante”: “para se converter em crente, o jovem nutre-se da fé da Igreja”.

“Se nenhum homem é uma ilha, tanto menos o é o cristão, que descobre na Igreja a beleza da fé partilhada e testemunhada junto aos demais na fraternidade e no serviço da caridade”, disse.

O bispo de Roma confessou que pede a Deus que “muitos jovens possam se encontrar na capital da Espanha para acolher em seus corações a Cristo, que nos chama a confiar n’Ele e a amar cada vez mais a Igreja”.


Fonte:http://www.zenit.org/article-25935?l=portuguese